Doença de Preiser (Necrose avascular do osso Escafóide)

por | 28/06/2021 | Outras doenças

Em 1910, Preiser descreveu a necrose avascular do osso escafóide, que ficou conhecida como Doença de Preiser. Coincidentemente, no mesmo ano, Kienböck descreveu a necrose avascular do osso semilunar, que recebeu o nome de Doença de Kienböck.

Doença de Preiser (Necrose avascular do osso Escafóide) - 1A doença de Preiser é muito rara. Tão incomum que não há dados confiáveis quanto à epidemiologia. Não se sabe em qual sexo, idade ou profissão é mais prevalente. 

Uso crônico de corticóide para tratamento de doenças auto-imune, tabagismo, etilismo e traumas prévios podem ser fatores de risco para a Doença de Presiser, que não tem etiologia (causa) nem fisiopatologia (mecanismo) definidos. Pacientes com infiltração local de corticóide para tratamento de Moléstia/Doença de De Quervain podem ter desenvolvido necrose avascular do escafóide (ou o diagnóstico inicial de De Quervain pode ter mascarado a Doença de Preiser).

Doença de Preiser (Necrose avascular do osso Escafóide) - 2Os sintomas iniciais são dor no punho, principalmente do lado radial (lado do polegar), tanto na região dorsal quanto na região palmar. Há aumento de volume local e perda de mobilidade do punho. 

A classificação mais aceita para Doença de Preiser é a de Herbert e Lanzetta, realizada apenas em 1994, baseada na classificação de Litchman para Doença de Kienböck. 

    • Grau I: sem alterações radiográficas, com alteração de sinal na Ressonância Magnética. 
    • Grau II: aumento da densidade radiográfica do escafóide
    • Grau III: fragmentação do escafóide, pólo proximal
    • Grau IV: Colapso do carpo/artrose

Doença de Preiser (Necrose avascular do osso Escafóide) - 3Nos graus iniciais está preconizado o tratamento conservador ou realização de enxerto ósseo vascularizado. O objetivo é “revascularizar o escafóide”. Há trabalhos que indicam osteotomia de fechamento do rádio, com o mesmo objetivo da osteotomia de encurtamento para tratamento da Doença de Kienböck.

O retalho ósseo de Zaidenberg (baseado na artéria interretincular 1,2) e o retalho ósseo de Mathoulin são boas opções e a experiência do cirurgião e local da cicatriz devem ser levados em consideração. 

A osteotomia de fechamento do rádio pode ser fixada com fios de Kirschner, parafusos ou placa e parafusos. 

Doença de Preiser (Necrose avascular do osso Escafóide) - 4No grau IV, apenas os procedimentos de salvação, como a ressecção do escafóide e artrodeses parciais do carpo (artrodese 4 cantos, artrodese de atlas), ressecção da fileira proximal do carpo e artrodese total do punho estão indicados. 

Novamente, pela raridade da doença, não há trabalhos que afirmem com boa evidência estatística qual o melhor tratamento para cada grau. Sabe-se que o tratamento não operatório acaba observando a história natural da doença e que tem resultados ruins objetivos e subjetivos. 

Portanto, apesar do pouco conhecimento que se tem sobre a doença, parece que as intervenções cirúrgicas têm uma chance maior de evoluir com resultados positivos do que o tratamento não operatório.

 

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Artroscopia nas fraturas do punho

Artroscopia nas fraturas do punho

A artroscopia do punho está cada vez mais consolidada para tratar cistos sinoviais volares e dorsais do punho, lesões do complexo da fibrocartilagem triangular (CFCT), lesões do ligamento escafolunar, auxiliar no tratamento da Doença de Kienböck (necrose avascular do osso semilunar) e auxiliar e nas artrodeses parciais do carpo.

ler mais

Pin It on Pinterest